A corrida natural

Corrida natural é o nome dado para a corrida sem o tênis, ou melhor, descalço. Tudo começou com uma publicação na revista cientifica nature em 2010, um estudo do biólogo de Havard, Daniel Lieberman onde conclui que correr descalço provoca menos estresse ao pé que correr com tênis.

A minha pergunta é correr descalço ou correr de forma correta? Será que a corrida natural faz com que o corredor tenha que utilizar-se da mecânica correta para que possa correr sem nenhum tipo de dor ?

Daniel Lieberman observou que durante a corrida descalça as pessoas tendem o tocar o solo com a parte do meio do pé enquanto que as pessoas que correm com tênis tocam o solo primeiro com o calcanhar.  Tocar o solo com o calcanhar é cerca de 7% da massa do corpo sobre o pé o que é  três vezes maior que o impacto de um corredor descalço.

A corrida e a caminhada são modelados biomecanicamente por sistemas diferentes, a corrida modelada pelo bouncing Ball (o pé toca o solo com a parte do meio – sistema de molas), e a caminhada pelo sistema rolling egg (o pé toca o solo com a parte do calcanhar – sistema de pendulo). O sistema bouncing ball é caracterizado por grandes trocas de energia cinética e elástica dos músculos e tendões, já o sistema rolling egg a troca de energia ocorre de forma mais suave.

Em um dado momento o corredor deixa de caminhar e passar a correr em razão do aumento da freqüência e amplitude da passada e neste momento o pé não consegue permanece em contato com o solo, caracterizando assim a fase aérea e conseqüentemente a corrida.

Um grande erro é achar que a corrida é uma caminhada com uma velocidade maior e neste ponto é quer correr descalço e correr calçado pode fazer a diferença, pois se o corredor continuar a correr pelo sistema rolling egg ela irá sofrer um impacto grande no tornozelo e isso irá gerar dor durante a corrida e para continuar correndo sem dor ele irá mudar a mecânica da corrida para o sistema bouncing ball.

Bom não precisamos falar em correr descalço para observar este fato, basta utilizar um tênis tipo race ou performance que são mais leves e utilizados por profissionais, se a mecânica de sua passada não for correta você irá sentir também o impacto de correr de forma errada.

Outro grande erro que agrava muito na mecânica da corrida é a escolha de um tênis inadequado para o corredor, em exemplo: o corredor iniciante tende a pensar que o melhor tênis seria o com mais amortecimento para ele e isso é errado, pois esta atitude irá levá-lo a manter um corrida com o sistema da caminhada.

Os tênis com mais amortecimentos são indicados para corredores mais experientes e para treinos longos. Para os iniciantes o ideal são os tênis da categoria controle do movimento por serem mais rígidos iram favorecer ao corredor iniciante a correr de forma adequada e com maior estabilidade do complexo pé tornozelo.

Eu costumo dizer que há uma grande diferença entre correr e sair correndo e a mecânica é a principal forma de você identificar quem esta correndo e quem sai correndo. Correr requer técnica em quanto que sair correndo não.

Eu particularmente não recomendo a ninguém a correr descalço, mas sim a comprar um tênis adequado para o seu tipo de pé, o nível de condicionamento e a fase de treino em que se encontra.

Para o aprendizado da técnica da corrida utilizamos dos exercícios educativos para o processo ensino-aprendizagem-treinamento. Os exercícios educativos são imprescindíveis para quem deseja melhorar sua performance na corrida (MACHADO, 2011).

Eles foram desenvolvidos para atuar em cada fase da passada, otimizando a coordenação, equilíbrio e a postura durante a corrida, proporcionando uma melhor eficiência mecânica evitando assim uma fadiga precoce e diminuindo a incidência de lesões.

Os exercícios educativos são à base do treino de qualquer corredor e podem ser incluídos como forma de aquecimento. A intensidade do exercício deve ir aumentando gradativamente, a distância pode variar de 30 a 50 metros e o tempo deve ser entre 10 e 20 minutos.

É importante que o aluno realize o movimento de formas variadas sob diferentes condições.

Os exercícios educativos proporcionam inúmeros benefícios, entre eles: melhora da consciência corporal, aumento da amplitude da passada, aumento da freqüência da passada, maior eficiência mecânica durante a corrida, fortalecimento muscular e melhora da postura.

Entre os educativos podemos citar os mais utilizados: Anfersen, dribling, skipping e hopserlauf.

É importante que o aluno realize o movimento de formas variadas sob diferentes condições. Para um melhor desenvolvimento técnico, é possível fazer uma série de combinações dos exercícios educativos, como no exemplo:

•    Passagem progressiva do dribling para o skipping baixo;

•    Passagem progressiva do dribling para o skipping alto;

•    Skipping alto somente com uma perna;

•    Skipping alto alternando as pernas;

•    Passagem do skipping alto para a corrida.

A corrida é emoção, prazer e uma ciência complexa e cheia de detalhes. Para cada planilha de treinamento, cada sessão e cada dia de repouso existe todo um conhecimento científico aplicado com a finalidade de tornar o treinamento mais eficiente e seguro.

Abraço a todos e bons treinos.

THIAGO OLIVEIRA
CONSULTOR ESPORTIVO KM ESPORTES
http://www.kmesportes.com.br
thiago@kmesportes.com.br

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s